Secretaria de Cultura de Niterói / Fundação de Artes de Niterói
  MÁRCIO PROENÇA
 
 
Agenda
Cultura
Niterói

Baixe aqui nossa programação mensal completa
Cultura Niteri

Vicente Márcio Proença Pereira nasceu em Niterói no ano de 1942. Concluiu curso técnico de contabilidade no Colégio Santa Bernadeth, Niterói, 1960. É autodidata em sua formação artística.

Clique para ampliar
No Colégio Militar Ginásio Barão de Paty do Alferes, em Paty do Alferes, onde foi estudar, acabou fazendo amizade com Gonzaguinha e o compositor Paulo Emílio, também alunos. Iniciou a carreira musical aos 17 anos de idade, teve seu primeiro registro como compositor com a gravação de sua canção "A palavra que ficou" por Áurea Martins. Em seguida, teve outras composições de sua autoria interpretadas por Dóris Monteiro, Agostinho dos Santos, Roberto Silva e Cláudia. Em 1964, gravou seu primeiro disco, um compacto duplo lançado pela Mocambo.

Na década de 1970, fez parte do Movimento Artístico Universitário (MAU), ao lado dos velhos amigos Paulo Emílio e Gonzaguinha, além de Aldir Blanc e Ivan Lins, entre outros. O MAU, que no início se resumia a reuniões na casa do psiquiatra Aluízio Porto Carreiro de Miranda e sua mulher, Maria Ruth, na Tijuca, com o tempo ganhou destaque em festivais de música e teve seus integrantes contratados pela TV Globo.

Também nessa época, integrou, juntamente com Eduardo Lage, Flávio Faria e Ana Manhães, o Quarteto Forma, com o qual lançou um compacto duplo e um LP pela Odeon, produzidos por Mariozinho Rocha. Ainda nos anos 1970, participou de duas edições do Festival Internacional da Canção (Rede Globo) e do Festival Universitário (TV Tupi).

Clique para ampliar
Ao mesmo tempo em que seguia com os seus projetos musicais, o niteroiense ingressou no serviço público como funcionário do antigo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER). No fim dos anos 70, a convite do maestro Eduardo Lages — com quem tinha trabalhara do grupo vocal Quarteto Forma — entrou para a orquestra de Roberto Carlos.

Ainda na década de 1980, lançou os LPs "Marcio Proença" (1981), com a participação de Lucinha Lins, Aldir Blanc e Gonzaguinha, e "Eterno diálogo" (1984), este último com a participação de Lucinha Lins e Nana Caymmi.

Clique para ampliar
Na década de 1990, apresentou-se nos seguintes espaços: Teatro da Universidade Federal Fluminense (Niterói), em 1994, com Paulo César Pinheiro; Vinícius Piano Bar (RJ), em 1995, com Moacyr Luz e Aldir Blanc; Jazzmania (RJ), em 1996, com Sueli Costa e Paulo César Pinheiro; Canecão (RJ), em 1997, no show de lançamento do CD de Aldir Blanc; Teatro da Universidade Federal Fluminense (Niterói), em 1999, com Ivor Lancellotti, no show "Encontro de parceiros musicais de Ivor Lancelloti e Marcos Lima".

Em 2004, gravou pelo selo Niterói Discos, o CD Facho de Luz, produzido por João Carlos Carino. O disco contou com a participação de Leila Pinheiro, Simone Guimarães, Paulo César Pinheiro, Guinga, Ivor Lancellotti e Beth Carvalho, além de José Luiz Lopes, seu parceiro em todas as composições do disco: "Delírio", "Que bom seria", "Gosto de batom", "Um pouco mais canção", Bons momentos", "Já foi, mas volta", "Marcas do passado", "Um mal de amor", "Avassalador", "É bom, mas é ruim", "Cilada fatal" e "Atitude".

Clique para ampliar
Em 2014, o artista lançou no Teatro Municipal de Niterói, o álbum Retrato Cantado, que reúne, em CD e DVD, 10 composições jamais gravadas por Proença, com direito a solos exclusivos de 14 violões. Novamente lançado pela Niterói Discos e produzido por Carino, com o apoio do Instituto Memória Musical Brasileira (IMMuB), o trabalho faz uma justa homenagem a esse grande compositor, que já teve temas cantados por nomes de peso da música brasileira como Nana Caymmi, Gonzaguinha, Lucinha Lins, Beth Carvalho, Cauby Peixoto, entre muitos outros. O repertório do show inclui as músicas como: "Pare de me arranhar, "Retrato Cantado", "É Feio”, "Vício de amor" e "Niterói". O show teve participações especiais de Leny Andrade, Danilo Caymmi, Aurea Martins, Marcus Lima e Adriana Ninsk. Participaram também os violonistas Ricardo Gilly, que assina os arranjos, Charles da Costa e João Camarero.

É autor de mais de 100 músicas gravadas, tendo entre seus principais parceiros Paulo César Pinheiro, Aldir Blanc, Ivor Lancellotti, Marco Aurélio, Paulo Emilio, Cartier, Nei Lopes, Sergio Natureza, Guanieri e Gonzaguinha. Constam da relação dos intérpretes de suas canções artistas como Marília Medalha, Agostinho dos Santos, Dóris Monteiro, Ed Lincon, Wanderléa, Gonzaguinha, Lucinha Lins, Marília Medalha, Nana Caymmi, Pery Ribeiro e Luiz Eça, Simone, Beth Carvalho, Cauby Peixoto, Aldir Blanc, Zé Luiz Mazzioti, Célia Vaz, Roberto Silva, Leny Andrade e Romero Lubambo, Cristina Buarque, Danilo Caymmi, Agepê e o grupo MPB-4, entre outros.

Márcio Proença faleceu em Niterói, em 21 de maio de 2017. Leia Niterói presta homenagem a Márcio Proença.
    crítica

    "[...] eu o vi pela primeira vez lá pelos idos de 1966, cantando e tocando violão em shows de bossa-nova em universidades. E me impressionou logo, pelo bom gosto do violão, das músicas e da voz calma e afinada. Um lírico por natureza, romântico e tranquilo. Um grande melodista. E de uma coerência incrível. De lá pra cá ele não perdeu nada de sua personalidade musical, formada pelo bom gosto, antes de tudo. E é bom, é relaxante, ouvir Marcio agora, como já era desde aquele tempo". IVAN LINS - 1981

    Clique para ampliar
    "[...] No colégio interno ele era dono do violão e da voz gostosa de se ouvir. Aqui está o resultado de um esforço e eu agradeço ter tido a honra de participar.[...]" GONZAGUINHA - 1981

    "[...] De lá pra cá, ouvi dezenas de músicas do Marcio. Elas são a cara do pai - tensas mas tentando gozar no estupro inevitável, amargas e com um sorriso levíssimo de ironia, definitivas em seu absoluto desprezo aos modismos de grupelhos e cascatas. São músicas bonitas porque verdadeiras. A gente encontra com elas na rua, na hora do cafezinho, como se fossem um amigo querido que inexplicavelmente não vemos há muito tempo [...] O Márcio é o legítimo compositor popular, coisa que muito moleque com verba e campanha publicitária tenta mas não emplaca. Enquanto houver um dancing, alguém pelo golpe dos vinte, enquanto houver saudade, saideira e uma mijada na árvore de madrugada, enquanto a mentira de um esbarrar na sinceridade do outro, enquanto alguém pedir a guimba, enquanto houver um garçon apagando a luz e a possibilidade de uma cena de sangue, enquanto houver garrafa, enquanto houver barril, enquanto houver paixão, um copo e uma dor intensa, vale a rima, alguém há de cantar Márcio Proença.[...]" ALDIR BLANC - 1981







Tags Márcio Proença,




Emmanuel de Macedo Soares (1945-2017)
K. Lixto (1877-1957)
Memória: Dois niteroienses entre os Maiores Brasileiros Vivos em 1924
Manoel Benício (1861-1923)
Cláudio Valério Teixeira (1949 - 2021)


aaaaaa

Mapa do Site

Cultura Niterói
 
Espaços Culturais
 
Programas
 
Outros
 
 
 
Portal Transparência
Contracheque Online
e-SIC
Comprovante de Rendimento
Consulta de Processos
 
Rua Pres. Pedreira, 98, Ingá - 24210-470, Niterói - RJ | Tel: (21) 2719-9900 | E-mail niteroi.culturas@gmail.com